quinta-feira, 19 de outubro de 2017

HORROR

Esta foto de Bruno Alves inserida na primeira página de A Voz da Figueira referente ao incendio que teve inicio no Ervedal em muitas que vi foi a que mais me impressionou

OPINIÃO...DANIEL SANTOS

Editado no Diário as Beiras

ATÉ QUANDO TEMOS DE CONTINUAR A SUPORTAR ESTE HORROR URBANÍSTICO E AO MESMO TEMPO ATENTADO AMBIENTAL À MODA DA FIGUEIRA?


Estou como o António Tavares, vereador executivo durante oito anos, prestes a sair...
Em 11 de março de 2014 escrevia no jornal AS BEIRAS:
Estamos lixados.
Por um lado, este (citando Miguel Almeida) é "um Edifício que é um Trabalho"!
Por outro lado,  a Figueira é mesmo uma cidade que não se leva a sério...

In-Outra Margem


ESTE TEXTO DO PERÓDICO "EL ESPANHOL" TALVEZ SEJA A JUSTIFICAÇÃO E EXPLICAÇÃO PARA A "ESTÓRIA" DOS INCÊNDIOS EM PORTUGAL

El cártel español del fuego amañó contratos de extinción de incendios en Portugal


El gobierno luso pagó hasta tres veces más de lo que realmente costaba el servicio contratado.

Arde Portugal en la peor semana de incendios en su historia reciente. Desde el pasado fin de semana, 64 personas han fallecido a causa de las llamas o en la lucha contra el fuego, una pelea que protagonizan más de 34.000 bomberos voluntarios en el país vecino y que supuso un importante negocio para las principales empresas españolas de extinción de incendios con medios aéreos. Investigadas desde 2015 por pactar precios y según la documentación a la que ha tenido acceso EL ESPAÑOL, seis de las principales empresas del sector en España intentaron manipular al menos desde 2006 los contratos públicos lusos con ofertas falsas para copar todas las licitaciones. Los informes policiales calculan que juntas se repartieron de forma irregular más de 100 millones de euros tanto en España como en suelo luso.

Las pruebas de sus presuntos amaños, sus pretensiones y su voracidad a la hora de conseguir contratos públicos se acumulan en la llamada Operación Concentración, la investigación abierta contra ellos en la localidad valenciana de Sagunto, y que la pasada semana quedó en manos de la Audiencia Nacional. Según el sumario del caso, los responsables de las firmas Avialsa, Espejo, Martínez Ridao, Cegisa y Faasa quedaban varias veces al año en un hotel de carretera llamado El Curce, ubicado en el término municipal de Manzanares (Ciudad Real). Allí, entre ragut de ternera y caldereta de cordero se repartían las concesiones públicas de Baleares, Extremadura, Andalucía o incluso Portugal, donde por falta de fondos solo siete grandes ciudades tienen equipos profesionales de extinción de incendios, con independencia de la voluntad de las administraciones.

Según el sumario del caso, el método de manipulación de los concursos era sencillo: por un lado, las empresas decidían de antemano el ganador de la licitación en un reparto previo. Y para conseguir sus intereses, fijaban una serie de “ofertas cebo” que eran presentadas al alza por el resto de sus supuestos competidores, que en realidad estaban concertados entre sí.

Así se repartieron por ejemplo 1,6 millones de euros en el pastel de los hidroaviones en Portugal durante 2010. “El precio del contrato es de 1.992.000 euros y se han volado un total de 714 horas, que al precio de 500 euros/hora suponen un total de 357.000 euros. Si descontamos, el precio fijo del contrato a repartir entre las seis compañías sería de 1.634.930 euros”, refleja un correo remitido en octubre de 2010 por una de las empresas investigadas. En ese caso, la rentabilidad del alquiler de los aviones cisterna cuadruplicaba el coste real del servicio.

“Ganar como sea el concurso de este año”

“No hay ninguna compañía, aparte de nosotros más el club, con seis Fire Boss [un tipo de avión cisterna] libres para Portugal, es decir, que tendrían que unirse como mínimo cuatro compañías para el concurso. Siendo que las españolas están bajo control por nuestros acuerdos, es casi imposible reunirlos”, escribía sobre Portugal en febrero de 2010 Vicente Huerta, dueño de Avialsa y uno de los principales investigados en la causa. “Es verdad que puede presentarse alguien al concurso sin tener los aviones, pero en ese caso nos enteraremos por AT y Wipaire [fabricantes de ese modelo]. Un pedido de seis FB no pasa desapercibido”.

Así, Huerta plantea que la estrategia en suelo luso debe ser “Ganar COMO SEA el concurso de este año. Tenemos el apoyo del club español de compañías para hacer y deshacer lo que queramos en Portugal [...] Tras la campaña de 2010 enfocar el ataque para 2011 (que elimina la posibilidad de que nadie consiga aviones) con Fire Boss-67F biplaza con cámara de transmisón de imágenes certificada. Ningún competidor podrá llegar a esto, ni aun uniéndose todos los operadores del mundo de FB [...] El plato fuerte lo tenemos este año en Portugal. y vamos a atacar con todo el arsenal disponible”.

La “oferta Cebo”

Un mes después de este correo, arranca la maquinaria por parte del cártel para amañar el concurso en luso.“Para empezar os planteo la idea de presentar dos ofertas con dos empresas distintas, una con Avialsa y otra con Aviación Agrícola”, escribió el 2 de marzo de 2010 Francisco Alandí, exgerente de Avialsa y primer denunciante del caso. “La idea es presentar la oferta primera a últimos de esta semana y la más baja el mismo lunes 8 (se cierra el plazo a las 17h)”, concluye.

Dos días después es Angel Martínez Ridao quien escribe al resto de los integrantes del grupo empresarial: “Nos parece correcta la estrategia ya comentada en la reunión de Manzanares. En cuanto a los precios, consideramos que la “oferta cebo”, por si tiene acceso a ella la competencia, tendría que ser más elevada (380.000 - 390.000 euros) para que la diferencia con la definitiva sea más grande”.

Según la declaración de los propios investigados, sus años de mayor actividad en Portugal fueron 2006 y 2007, pero el sumario del caso investiga adjudicaciones en el país vecino hasta 2015, año en el que se lanza el operativo y se dictan las primeras detenciones. El documento fundacional del cártel, que incluía de forma original a cuatro empresas, reflejaba ya la voluntad de los participantes de repartirse el mercado portugués en 2001. Por el momento, hay 26 personas investigadas en España pero las pruebas de la manipulación en suelo luso han sido trasladadas a la iscalía del país vecino para que depure sus posibles implicaciones penales allí.


TAÇA PORTUGAL...GRANDES BAFEJADOS PELA SORTE DE JOGAR EM CASA

O sorteio da quarta eliminatória da Taça de Portugal ditou que os três 'grandes' do futebol português joguem os respetivos encontros em 'casa', isto após terem jogado fora na eliminatória anterior como ditam os regulamentos da competição.

No entanto, as sortes não foram, de todo, iguais. Isto porque o detentor do título Benfica e o FC Porto terão de defrontar, respetivamente, os primodivisionários Vitória de Setúbal e Portimonense, ao passo que o Sporting recebe o Famalicão, atual sétimo classificado da II Liga.

Destaque, ainda, para um 'escaldante' Rio Ave-Sporting de Braga e para o Vitória de Guimarães-Feirense, ambos duelos entre equipas do principal escalão do futebol português.

Os 16 jogos da eliminatória, recorde-se, estão agendados para o próximo dia 19 de novembro

Resultado do sorteio
União de Leiria-Aves
Académica-Nacional
Santa Clara-Chaves
Ideal-Cova da Piedade
FC Porto-Portimonense
Benfica-Vitória de Setúbal
Rio Ave-Sporting de Braga
União da Madeira-Freamunde
Vizela-Vilaverdense
Vitória de Guimarães-Feirense
Caldas-Arouca
Sporting-Famalicão
Praiense-Vilafranquense
Farense-Leixões
Moreirense-Felgueiras


MÁFIA ORGANIZADA...

Num debate organizado no Jornal de Noite da SIC, foram apresentados números relativos aos incêndios e área ardida em Portugal este ano e chegou-se à conclusão, por exemplo, que em Itália foram registados o dobro dos fogos mas apenas um terço da área ardida.

José Gomes Ferreira é perentório quanto a uma explicação. “Esta área tão grande só resulta de uma coisa: a indústria dos incêndios, a indústria dos fogos trabalhou bem no sentido da efetividade do que queriam fazer. Conseguiram queimar muito em pouco tempo”, afirmou.

O jornalista e comentador da SIC explica que este tema deve ser debatido e investigado. “Há uma indústria dos fogos, há muitos interesses relacionados com isto. Quem o disse foi, por exemplo, o presidente do governo de Espanha que foi à Galiza e disse que havia crime organizado”, indicou, acrescentando que “o próprio Presidente da República questionou se haveria e questionou muito bem”.

Quando questionado sobre os resultados do relatório, que apontam para outras causas, Gomes Ferreira adianta que “o relatório não é feito sobre aquilo que estamos a falar” porque este tema não é estudado em Portugal.

“Quem fez isto sabe estudar os dias e o vento e a força com que ele existe para arder o máximo possível. Essa indústria dos incêndios existe e nunca foi estudada”, asseverou, garantindo que “a lógica económica destas indústrias que fornecem o combate ao fogo existe e precisa de mercado”.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

FIGUEIRA DA FOZ

Foto Carlos Fidalgo
(Para ver em tamanho real clicar em cima da imagem)

HÁ QUE TRABALHAR MAIS E MELHOR!!!

Editado no Diário as Beiras

MANCHETES DO DIA




O SILENCIO DA FRAUDE

Eu quero o Vara na prisão?

Convicção pública não faz fé judicial… Armando Vara e o Constitucional

Por razões de maniqueísmo político, ideológico e até pessoal, todos criamos convicções sobre as pessoas que nos rodeiam e delas somos capazes de fazer sumárias avaliações baseadas em pouco mais do que nada.
É próprio da condição humana e devemos cuidar para não cairmos na ligeira tentação de o fazer.
Quantos de nós têm uma forte opinião sobre Armando Vara, por exemplo? Ou José Sócrates?
Dei comigo a refletir neste assunto ao percorrer uma série de apontamentos sobre hipotéticos temas para esta coluna de opinião, em que se pretende abordar a fraude de alguma perspetiva.
E assim cheguei a Armando Vara. Consta da minha “wish list” há algum tempo. José Sócrates já por aqui passou.

Pesquisada apenas a informação disponível na internet (não tive portanto qualquer acesso aos processos), parece existir aqui um axioma generalizado:
“O Vara é culpado, resta saber se o Sistema o conseguirá apanhar!”
Claro que a nossa opinião é subjetiva. A tentação de confundir o seu percurso profissional integralmente com “jobs for the boys” é ainda assim enorme…
Frustrada a licenciatura em Filosofia, que não terminou, completou uma Pós-Graduação em Gestão Empresarial mesmo sem estar licenciado. Grau que, afinal, veio a obter 3 dias antes da sua nomeação para a administração da CGD. Nota: licenciatura em Relações Internacionais obtida na extinta Universidade Independente (onde já José Sócrates acumulara conhecimento).
Sai da CGD para assumir a Vice-Presidência do BCP, mas ainda assim (há tipos com sorte) vê o Banco Público promovê-lo ao escalão máximo de vencimento (nível 18), o que impactará a sua futura reforma. Recordar que Vara já recebe uma subvenção vitalícia de 2.000 € mensais, em função da sua carreira contributiva como deputado à Assembleia da República (em 4 legislaturas).
Suspende em 2009 as funções no BCP, mas recebe ainda assim 260 mil euros de indemnização, bem como quase 900 mil euros em 2010 (prémio de desempenho) apesar de suspenso por permanecer arguido no caso Face Oculta…

Experimentado gestor, assume o cargo de Presidente do Conselho de Administração da brasileira Camargo Correa África em final de 2010, aí permanecendo até meados de 2014.
Politicamente não tem sido menos fulgurante o percurso. Deputado, foi também candidato a Presidente da Câmara da Amadora (1991), Secretário de Estado da Administração Interna (1995/99), Ministro Adjunto do Primeiro Ministro (1999/2000) e Ministro da Juventude e Desporto em 2000.
Demite-se deste último cargo político em função da polémica sobre o financiamento da Fundação para a Prevenção e Segurança Rodoviária, que fundara enquanto Secretário de Estado e dirigida por membros da sua equipa, e que se suspeitava ser um instrumento para fugir ao controlo do Tribunal de Contas nas suas adjudicações (perto de 2 milhões de euros). Nos últimos dias do governo socialista de então, foi este processo arquivado.

Para em 2005 ser Armando Vara agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique…
Foi multado 2 vezes, em 50 e 40 mil euros, pelas autoridades de supervisão, por ter facilitado (num dos casos apondo assinatura) crédito em contas-fantasma e a vários indivíduos para aquisição de ações em processos de OPV e OPS da Galp, REN e Martifer. Pela sua função na CGD, em créditos superiores a 1 milhão de euros.
Em outubro de 2009 é constituído arguido no processo Face Oculta, sendo acusado em 2011 de 3 crimes de tráfico de influência e pedida pena de prisão de 20 anos. É condenado a 5 anos de prisão efetiva, em função do demonstrado conluio com Manuel Godinho e outros, tendo sido demonstrado o recebimento de 25 mil euros e uns… robalos (assumido por Vara). Esta pena foi confirmada pelo Tribunal da Relação do Porto, já em Abril de 2017 (o que provocará, presume-se, a perda da sua Grã-Cruz).

No entretanto, havia sido detido em Julho de 2015, ao abrigo da Operação Marquês (que investiga primariamente José Sócrates). Em causa o financiamento da CGD ao empreendimento Vale do Lobo, onde o Banco Público perdeu 100 milhões de euros. Esteve 4 meses em prisão domiciliária, tendo sido libertado com o pagamento de caução de 300 mil euros.
Decorre também ainda um processo cível contra Vara interposto por António José Morais, antigo professor de José Sócrates na Independente, que reclama uma indemnização de 160 mil euros, por ter sido demonstrado, em teste de ADN, que Vara é o pai biológico da filha que António José Morais criou como sua da relação com Ana Simões.
Armando Vara veio recentemente “reconhecer” que a conta off-shore registada em nome da filha (da “legítima”), e que lhe serviu por exemplo para pagar um novo apartamento em Lisboa, era afinal dele próprio, retirando desta forma a filha do “olho do furacão”. Portanto, há filhas e filhas…
Armando Vara recorreu ao Tribunal Constitucional da decisão do Face Oculta, que o colocará na prisão em caso de indeferimento do recurso.

Mas, independentemente do processo de convicção da culpa que o acima narrado possa provocar em cada um de nós, e do alarme social que tudo isto provoca, esse é um direito inalienável do próprio. E não podemos querer ter um sistema judicial para os nossos amigos e um para aqueles de quem criamos a convicção de que são culpados.

Assim anda o mundo…

André Vieira de Castro
         (Público)



LEÕES DA FIGUEIRA DA FOZ REALIZAM EXCURSÃO DE APOIO PARA O SPORTING X DCHAVES

 
Leões da Figueira da foz, realizam excursão de apoio ao Sporting Clube de Portugal no próximo domingo dia 22 de Outubro  para apoiar o S C P no seu encontro com o Desportivo de Chaves pelo valor de "20 leões" com ingresso garantido.
A partida está agendada para as 14 horas com regresso imediato no final do jogo.
Faça já a sua Reserva  962566788.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

SERÁ QUE A MUDANÇA DA MINISTRA APAGARÁ OS INCENDIOS

Hoje como não podia deixar de ser, perante o espectáculo dantesco de uma cidade em neblina de cinzas e cheiro a queimado fui tomar uma bica matinal como faço normalmente.

Pouca gente no Café, mas os poucos a escutarem as terríveis notícias de mortos, desalojados, feridos, etc. E de repente a lenga-lenga porque não de demite a Ministra, A protecção Civil é uma merda o  SIRESP  é do tempo da pedra lascada e toda a gente a opinar e a fazer diarreia de parvoíces

Curiosamente na mesa ao lado da minha estava um casal, um casal não digo idoso mas de idade avançada e a senhora comentou a culpa é dos juízes pois apanham os incendiários e não os prendem e mandam-nos cá para fora

Às quantas diz o senhor isto é um país de espertos. Os principais inimigos de Portugal podem ser um terramoto, uma cheia,  uma seca ou um incendio e os governantes para combater estas calamidades compram submarinos e migs

Não pude deixar de olhar para o senhor e fazer-lhe um sorriso de assentimento e  cumplicidade.

Ninguém questiona nada ou ninguém,  há quase uma centena de mortos, domingo houve quinhentos e tal incêndios, hoje mais 149 e os jornalistas só têm uma preocupação a Senhora Ministra demite-se ou vai ser demitida?

Servindo-me da frase de um amigo meu permitam-se colocar a seguinte questão… SERÁ QUE A MUDANÇA DA MINISTRA APAGARÁ OS INCÊNDIOS ?

Fotos de Sérgio Vieira
(Para ver em tamanho real 
clicar em cima da imagem)

CARLOS QUEIROZ VIU-SE CERCADO PELO FOGO NA FIGUEIRA DA FOZ

Carlos Queiroz está em Portugal, aproveitando a paragem nos trabalhos da seleção do Irão, e viajou como sempre faz até à aldeia de Paião, na Figueira da Foz, para um almoço de domingo junto de familiares muito próximos.

Durante a tarde, o treinador viu a aldeia ser cercada pelo fogo. Embora o incêndio não tenha ameaçado a casa dos familiares, Queiroz acompanhou de perto a agonia de vizinhos e amigos, no combate à chamas.

O incêndio impediu até o treinador de viajar para Lisboa, como tinha previsto, conseguindo fazer a viagem apenas já de madrugada. No fim do pesadelo, deixou uma mensagem emocionada nas redes sociais de homenagem aos cidadãos anónimos que combatem o fogo com todas as forças, na defesa do que é seu e do que é dos que lhe são próximos.

Paião, Figueira da Foz, Coimbra. A infeliz experiência de testemunhar a agonia e desespero daqueles que tentam salvar-se a si e a uma vida de trabalho. Fica-me a honra de testemunhar a coragem de gente que nunca vacila, nem perante o horror dantesco das chamas que enfrenta. Este breve testemunho é acima de tudo uma palavra de homenagem para essa gente e para todos aqueles que, com meios limitados, em missão comunitária, combatem os incêndios. Defendem o que é seu e defendem os outros. São heróis, aparentemente abandonados numa guerra que não deveria ser só deles. Que lhes chegue finalmente o apoio devido. Aos que não conseguiram resistir, um pedido de desculpas, que creio deve ser de cada um de nós, que creio deve ser do País. Temos o País que somos. Que as vítimas descansem em paz e que as suas famílias encontrem o conforto urgente e necessário”

Carlos Queiróz
(Maisfutebol)


domingo, 15 de outubro de 2017

FIGUEIRA DA FOZ ... UM DIA PARA ESQUECER

Foto Sérgio Vieira
(Para ver em tamanho real clicar em cima da imagem)


Naval 1893 segunda vitória consecutiva no Distrital AFC

A Naval 1893 alcançou hoje a segunda vitória consecutiva ao vencer o S Silvestre por 2-1 em jogo da segunda Jornada do campeonato Distrital da I Divisão da AFC.

Numa partida jogada ao final da tarde, com um céu completamente nublado pelas nuvens de fumo provenientes dos vários incêndios que assolaram o concelho figueirense foi mais feliz a turma da Figueira da Foz que carimbou a vitória no último lance da partida face a um castigo máximo indiscutível a punir um derrube a João Vasco no interior da área de rigor.

A felicidade procura-se e foram os navalistas que mais e melhor a souberam procurar, já que desperdiçaram várias ocasiões de golo ao longo da partida, que concretizando algumas delas bem poderiam ter evitado aquele sofrimento final.

Ainda m na etapa inicial João Vasco em remate do meio da rua abriu o activo (contando com a colaboração do guardião forasteiro que ficou muito mal na fotografia) golo que deu alguma tranquilidade à Naval.

Os figueirenses atacaram muito mas mostraram algumas dificuldades de eficácia na zona de fogo sendo de referir o bom desempenho de Patego no meio-campo que empurrou constantemente a equipa para a frente e viu o árbitro fazer vista grossa a uma grande penalidade sobre si.

Na segunda metade já com algumas dificuldades de visibilidade o S Silvestre chegou á igualdade numa altura em que a Naval começou a evidenciar algumas dificuldades de marcação no centro do terreno abrindo alguns espaços.

Valeu o forcing final com a procura do golo que carimbasse a vitória que veio a acontecer no último lance do desafio com César de Jesus a não vacilar no pontapé dos 11 metros.


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

FIGUEIRA DA FOZ

Foto Pedro Mota
(Para ver em tamanho real clicar em cima da imagem)


CAMARA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL TOMAM POSSE A 20 DE OUTUBRO


OPINIÃO ...DANIEL SANTOS

Editado no Diário as Beiras

POEIRAS DO NORTE DE ÁFRICA CHEGAM HOJE A PORTUGAL E FICAM ATÉ AO FIM-DE-SEMANA... FIGUEIRA DA FOZ PODE SER ATINGIDA


Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a partir de hoje dia 12 de Outubro de 2017, vão chegar a Portugal poeiras provenientes do Norte de África as quais "entram na circulação de um anticiclone que está centrado na região de Cádis" e deverão subir por Portugal continental, podendo chegar até à Madeira (nessa subida pelo continente há uma forte possibilidade de a Figueira da Foz ser atingida por esta poeira, embora seja de forma ligeira).

Contudo, sublinhou avançou a mesma fonte a camada de poeiras é pouco espessa e, mesmo podendo alastrar para Norte, a maior concentração será sempre na região Sul (Algarve e Alentejo).

Recorde-se que nos últimos dias foram excedidos o limiar de informação ao público do ozono e os valores-limite de dióxido de azoto e partículas em suspensão nalgumas zonas do território do continente.

Atribuindo a situação às condições meteorológicas e à influência dos incêndios florestais, as autoridades lembram que esta libertação de poluentes para a atmosfera tem efeitos na saúde humana, sobretudo nas populações mais vulneráveis: crianças, idosos, grávidas, pessoas com problemas respiratórios crónicos e doentes do foro cardiovascular.