sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Vitor Coelho e Vitor Guedes abandonam Movimento 100%

 
Vitor Coelho e Vitor Guedes, vices-presidentes do Movimento 100% que chegaram a ter lugar na Vereação Figueirense, acabam de se desvincular deste Movimento. 
 
Segundo um comunicado assinado pelo presidente do Movimento, Daniel Santos o pedido de desvinculação invoca as discordâncias de Vitor Coelho e Vitor Guedes com as posições do Movimento na votação do Processo da Reforma Administrativa.
 
Comentário Marcha do Vapor: Começam a sentir-se os reflexos de uma decissão que quanto a nós ainda vai fazer correr muita tinta, já que, as decisões tomadas não agradam nem aos agregados nem aos agregadores salvo alguns acordos feitos por debaixo da mesa mas esses em devido tempo se saberão.

4 comentários:

Anónimo disse...

Era importante dizer que no comunicado que o Rogério teve acesso, que o movimento agrade a colaboração de ambos, apesar de les há já algum tempo nao participerem nas reuniºoes para as quais eram convocados. eu tb recebi o comunicado e parece-me que o rogério gastou masi letras no seu comentário do que a reproduzir o comunicado na sua pelnitude! Enfim...

Rogério Neves disse...

Caro Anónimo das 00:29

Em primeiro lugar quero dizer-lhe que não tenho que reproduzir comunicado nenhum. Para mim o importante do comunicado era o dar a conhecer a desvinculação de duas personalidades para mais sendo o comunicado emitido pelo proprio MOvimento.
Quanto ao meu comentário apenas emiti uma opinião sobre o processo de Reforma Administrativa sem entrar em pormenores, julgo que é um direito que tenho. Ou será que não tenho?
Não tentem arranjar ou fazer guerras onde não existem, quer as personalidades em causa quer o Movimento 100% são credores de todo o meu respeito, o que quer dizer que não possam ser alvo de crítica.

Anónimo disse...

Só é preciso é saber se o comunicado diz a verdade toda! Isso é que gostaríamos de saber... Se foram convocados, por exemplo, para as reuniões na Assembleia Figueirense... ou outras...

pb disse...

O problema da legitimidade dos movimentos de "independentes" é que podem fazer o que querem sem prestar contas ao seu eleitorado. E, já agora, a dita isenção é sempre muito subjetiva...