sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

ELES SABEM LÁ...

É isso mesmo que me preocupa, Exas. e senhores deputados municipais, na sua maioria, políticos de aviário - o futuro, nosso, da cidade e do concelho!..
Claro que desejo que seja o melhor possível, já que não tenho tendências masoquistas. 
Agora, querer saber dele, é muito diferente. 
Não acredito em quem está a preparar o nosso futuro, no presente.
Por outro lado, estou muito pouco interessado em saber o que me reserva o futuro, com gente como a maioria dos membros que compõem a Assembleia Municipal, como políticos que estão a dar um contributo - ainda que, felizmente, irrelevante - na sua construção.

Eles sabem lá o que foi o 25 de Novembro? Eles sabem lá quem foi Fidel?
E, no entanto, votam!..

Vamos ter eleições, presumo que em outubro do próximo ano, e queria deixar claro que estou, desinteressadamente, interessado nelas. 
Gostava de poder votar em políticos que fossem políticos, mas, isso, ao que julgo saber, é um bem escasso na Figueira. 
Não quero mais alternância, sem qualquer alternativa... 
Desculpem, mas estou farto...

Da maioria dos políticos figueirenses que conheço - e conheço muitos... - só acredito numa coisa de tudo o que dizem: o que eles dizem uns dos outros...

Estes, na sua maioria, políticos de aviário, precisavam era de recuar uns anos, até antes do 25 de Abril de 1974, para saberem o que era viver num País onde não havia liberdade. Onde existia censura, a actividade política, associativa e sindical era quase nula e controlada pela polícia política, havia presos políticos, a Constituição não garantia os direitos dos cidadãos, Portugal mantinha uma guerra colonial e encontrava-se praticamente isolado na comunidade internacional. Onde a informação e as formas de expressão cultural eram controladas, fazia-se uma censura prévia que abrangia a Imprensa, o Cinema, o Teatro, as Artes Plásticas, a Música e a Escrita. 
Onde, realmente, não havia Liberdade.

Onde a actividade política estava condicionada, não existiam eleições livres e a única organização política aceite era a União Nacional/Acção Nacional Popular. Onde a oposição ao regime autoritário de Salazar e depois de Marcelo Caetano, era perseguida pela polícia política (PIDE/DGS) e tinha de agir na clandestinidade ou refugiar-se no exílio.
Onde os oposicionistas, sob a acusação de pensarem e agirem contra a ideologia e prática do Estado Novo, eram presos em cadeias e centros especiais de detenção (Caxias, Aljube Tarrafal). 

Onde, realmente, não havia Liberdade nem Democracia.

Onde a Constituição não garantia o direito dos cidadãos à educação, à saúde, ao trabalho, à habitação. Não existia o direito de reunião e de livre associação e as manifestações eram proibidas. 
Onde, realmente, não havia Liberdade.

Portugal estava envolvido na guerra colonial em Angola, na Guiné e em Moçambique, o que gerou o protesto de milhares de jovens e se transformou num dos temas dominantes da oposição ao regime, com especial realce para os estudantes universitários.
Onde não havia Liberdade nem Paz.

Hoje, é difícil imaginar como era Portugal antes do 25 de Abril de 1974. 
Mas, se pensarmos que, por exemplo, as escolas tinham salas e recreios separados para rapazes e raparigas, que muitos discos e livros estavam proibidos, que existiam nas Rádios listas de música que não se podia passar, que havia bens de consumo que não se podiam importar, que não se podia sair livremente do país, que sobre todos os rapazes de 18 anos pairava o espectro da guerra, será mais fácil compreender porque é que a Mudança teve de acontecer e como é que Portugal se tornou diferente. 
Por exemplo, uma coisa simples e comesinha, como a Borda do Campo ainda sonhar em voltar a ser freguesia, isso deve-se ao 25 de Abril de 1974.

E, pergunto eu na minha santa e ingénua ignorância: sabem V. Exas., senhores deputados municipais, na sua maioria, políticos de aviário, quem foram os que dentro do País lutaram, chegando alguns a pagar a ousadia com a própria vida?
Sabem V. Exas., senhores deputados municipais, na sua maioria, políticos de aviário, quem foram os maiores lutadores para mudar tudo no Portugal Amordaçado que existia antes do 25 de Abril de 1974?

Pois, temos pena: foram os comunistas portugueses quem realmente mais lutou num País sem Liberdade, sem Democracia, sem Educação, sem Saúde, sem Habitação, sem Paz e onde o Trabalho era miseravelmente remunerado.

À pois, Suas Exas., senhores deputados municipais, na sua maioria, políticos de aviário: ser velho ainda continua a ser a única possibilidade descoberta para se poder viver muitos anos...

António Agostinho

A TODO O VAPOR: Conheço o António há umas décadas e enfrentámos juntos muita coisa. Entre nós nasceu e ainda hoje se mantém uma sólida amizade e penso que foi com ele que iniciamos uma aprendizagem de "escrevinhadores" em que tivemos o mesmo mestre, José Fernandes Martins.
Pela sua lucidez, poder de análise e sobretudo pela sua postura de seriedade e honestidade sou um leitor assíduo dos seus escritos e como o considero um homem de memória e fiel aos princípios de Abril, hoje tomei a liberdade de editar este seu texto que não é nem mais nem menos do que um grito de revolta contra aqueles que juraram defender os princípios de Abril mas todos os dias os colocam em causa.

PS: O titulo de texto é de minha autoria.

Sem comentários: