domingo, 5 de março de 2017

ATÉ QUE ENFIM...VALE MAIS TARDE DO QUE NUNCA


A Naval finalmente conseguiu acrescentar no curriculum da temporada a sua primeira vitória, para tanto bastou vencer o Alcanenense (1-0) e escreva-se… uma grande exibição de Tiago Colaço que fez a sua estreia na defesa da baliza navalista e a oportunidade de Sérgio Grilo que subiu à área adversária e na sequência de um lance de bola parada o “capitão” não desperdiçou.

Sem de forma alguma querer tirar mérito à formação navalista esta foi uma partida em que a vitória sorriu para a equipa que teve por seu lado a “estrelinha da sorte”, contudo se o resultado tivesse contornos contrários, escreva-se que não seria escândalo.

Refira-se que os navalistas souberam fazer pela vida, utilizando uma estratégia de contenção e grande coesão defensiva na etapa inicial, soltaram-se após o intervalo e foram um verdadeiro quebra-cabeças para a turma forasteira se bem que Tiago Colaço estreante na baliza navalista foi para além de o melhor jogador em campo um obstáculo intransponível para os visitantes.


A formação da Figueira da Foz no decurso dos primeiros 45 minutos entregou a iniciativa de jogo aos de Alcanena, foi uma estratégia de risco, já que os visitantes poderiam ter resolvido o jogo nesse período, pois desperdiçaram duas boas oportunidades de golo e os ferros da baliza navalistas negaram-lhes o golo noutras tantas.
Quem não marca sofre, diz-se na gíria e assim aconteceu. No reatar da partida,  minuto 50,  Jourdan negou o golo aos visitantes com intervenção “in- extremis”  porém uma dezena de minutos volvida, na sequência de um lance de bola parada, Sérgio Grilo com grande oportunidade bateu e Hélio e fez o golo que viria a sentenciar a partida.

Os forasteiros reagiram na procura do empate, obrigaram os da casa a cautelas defensivas e grandes cuidados nas subidas à baliza adversária, porém a turma navalista sabendo os riscos que corria  nunca descurou a hipótese de contra-ataque pelo que a meia hora final foi de grande intensidade com ambas as equipas a procurarem o golo que servisse os seus intentos.

O triunfo da Naval o primeiro da temporada no Campeonato de Portugal (Naval já tinha vencido o Fafe para a Taça de Portugal) faz-nos acreditar numa Naval moralizada a respirar ambição e ainda a poder lutar pela manutenção, tarefa perfeitamente ao alcance figueirense.

Fotos: Ana Costa


3 comentários:

Anónimo disse...

Rogério somos amigos á muitos anos , é a primeira vez que te vou criticar e desculpa me de que te vou dier mas é o que penso , parece que nao estiveste no jogo , por qeuilo que escreves parece que a Naval foi dominada quando o alcanena so criou mais perigo nos ultimos 10 minutos.
Compreendo que queiras ser exento mas temos que ver bem a realidade , A naval venceu e venceu muito bem!

Grande abraço

Rogério Neves disse...

Ainda bem que o anónimo anterior que se diz meu amigo (não sei porque não assinou o comentário) afirma que é a primeira vez que me vai criticar, interpreto isso como que das outras vezes que leu o que escrevi eu estive bem.
Quanto ao comentário permite dizer-te o seguinte: 1º É normal existirem diferenças de opinião, e como tal poderemos e deveremos rebater essas diferenças através do debate da conversa, etc...etc... 2ª No caso em apreço até parece que não estamos em opinião diferente, talvez este meu amigo não lesse com atenção o que escrevi.
Não disse que a Naval não merecia ganhar, disse que ganhou mas se fosse a equipa adversária a ganhar não seria escandalo.
Depois estamos em discordância total quando o amigo diz que o Alcanena só criou perigo nos últimos dez minutos. Então uma equipa que no decurso dos primeiros 45 minutos desperdiça de duas oportunidades de golo de baliza aberta e remata duas vezes ao ferro será que isto não é criar perigo?
Relembro ainda que ao minuto 50, dez minutos antes da Naval marcar o seu golo o Alcanena desperdiçou talvez a maior oportunidade de golo até então e a seguir a Naval marcou.
Posto isto para mim não houve outra realidade que não esta a Naval venceu porque foi mais eficaz e porque teve um melhor desempenho na etapa complementar, porém na etapa inicial foram os de Alcanena que assumiram a iniciativa de jogo e a melhor equipa e a que mais perto esteve sempre do golo.

Anónimo disse...

Amigo na sua cronica ao jogo nao refere as oportunidades que a naval teve nomeadamente 2 isoladas que os avançados nao conseguiram concretizar , ate posso concordar consigo qure o alcanena criou mais oportunidades de golo sem ser nos ultimos 10 minutos mas nao te esqueças que a naval na segunda parte dominou.