sábado, 3 de fevereiro de 2018

O MESTRE...


Morreu em 28 de Abril de 2000.
Tinha nascido a 17 de Fevereiro de 1941.

Nome completo: José Alberto de Castro Fernandes Martins.

Para os Amigos, simplesmente o ZÉ.
Purista do verbo e do enredo no dissertar da pena, concebia o jornalismo como uma arte e uma missão nobre.
“Também a lança pode ser uma pena/também a pena pode ser chicote!”
Andarilho e contador de histórias vividas, passou em palavras escritas pelo Notícias da Figueira, Diário de Coimbra, Diário Popular, Jornal de Notícias, Diário de Lisboa, República, Opinião, Vértice, Mar Alto (de que foi co-fundador), Barca Nova (de que foi fundador e Director) e Linha do Oeste.

No associativismo passou pelo Ginásio Clube Figueirense e Sociedade Boa União Alhadense.

Lutador contra o regime deposto pelo 25 de Abril de 1974, teve ficha na PIDE.
Foi membro da Comissão Nacional do 3º. Congresso da Oposição Democrática que se realizou em 1969 em Aveiro.
Chegou a ser preso pela polícia política.

Com a sua morte, a Figueira perdeu uma parte do seu rosto.
Não a visível, mas a essencial.
Era crítico e exigente. 
Mas, ao mesmo tempo, bom, tolerante e solidário.
Quase dezoito anos depois da sua morte, quem manda na Figueira, a cidade que amou toda a vida, continua a ignorá-lo.


A Todo o Vapor: Este texto foi copiado do Outra Margem, António Agostinho sabe o porquê, Zé Martins para nós será sempre uma personalidade viva e inesquecível e todas as homenagens (embora ele gostasse pouco disso) que lhe fizerem serão poucas. De qualquer forma para quem conheceu o Zé e o seu ex-libris " 
“Também a lança pode ser uma pena/também a pena pode ser chicote!” só tenho uma frase me ocorre... " Fazes muita falta Zé"

Sem comentários: