terça-feira, 6 de março de 2018

OPINIÃO...ISABEL MARANHA CARDOSO


Há pelo menos um dia por ano que é exclusivamente dedicado à Mulher. O 8 de Março! Este ano celebram-se os 48 anos em a data foi oficializada pela ONU, tornando-o no “Dia Internacional da Mulher” (DIM). Muitos se interroga sobre o significado destes dias de projecção global, da razão das comemorações e do destaque que têm, pois, actualmente, estas datas tendem a perder um pouco do seu sentido original ao sobreporem-se ao apelo comercial mas, o DIM foi criado com o objetivo relembrar as lutas sociais, políticas e económicas das mulheres, o seu direito ao voto, a permissão para ocuparem cargos públicos, o fim da discriminação sexual no trabalho e muitas outras acções da sua afirmação nas sociedades “ditas” modernas.

Para muitos a igualdade de oportunidades parece ser uma “não questão”. Infelizmente não é… reavivo a memória. Em pleno Estado Novo, o regime esforçou-se por manter a Mulher apenas como mãe, dona-de-casa e em total submissão ao marido. A Constituição de 1933 estabelecia o Princípio da Igualdade entre cidadãos perante a Lei, mas com algumas excepções.

Nesse documento constavam referências às “diferenças resultantes da sua natureza (da mulher) e do bem da família”. A mulher estava relegada para um plano secundário na família e na sociedade em geral. Por estas razões é que a história ajuda a entendermos o caminho já percorrido, mas a realidade, essa, ajuda-nos a percebermos o que falta ainda percorrer… por isso, “viva o DIM”!

Editado no Diário as Beiras

1 comentário:

Anónimo disse...

Apesar dos atentados ambientais essa individua até que escreve umas coisas engraçadas.