domingo, 8 de abril de 2018

NAVAL 1893 SEGURA LIDERANÇA ACTUANDO TODA A ETAPA COMPLEMENTAR COM 9 JOGADORES


A Naval 1893 venceu hoje o vice comandante Moinhos por 1-0 golo marcado em cima do minuto 90 num cabeceamento mortífero do “capitão” Fernando Campagnolo que na sequência de um canto garantiu os três pontos à equipa figueirense.

Foi uma vitória que teve um sabor especial, já que os figueirenses jogaram toda a segunda parte com menos dois jogadores por expulsão directa de João Vasco (35) e segundo amarelo a Rodolfo (45).

Não é nosso lema perder grande tempo em análise ao trio de arbitragem, contudo, o que se passou no sintético figueirense foi de tal ordem patético que temos de dedicar algumas palavras ao trio de árbitros.

Começamos por questionar o CA da A F Coimbra sobre os critérios de nomeação, já que o encontro entre os dois  primeiros classificados merecia um árbitro experiente, tarimbado.

Não foi o que nos pareceu, o juiz da partida, mal auxiliado, não acertou uma que fosse. Desde critérios disformes, deficiência de análise e vista turbada em alguns lances o que evidenciou falta de classe e categoria para um jogo desta importância.

Esperemos que tenha sido uma dia mau só que a Naval saíu muito prejudicada com duas expulsões e nesta fase do campeonato todos os jogadores fazem falta.


Quanto ao jogo o Moinhos desde cedo deixou transparecer ao que vinha, apresentando uma equipa organizada, rápida nas transições defesa/ ataque e muito segura defensivamente.

A Naval quis de imediato pegar no jogo mas o Moinhos não o permitiu. O primeiro lance que fez mexer a bancada aconteceu aos 15 minutos com João Daniel a obrigar o guardião visitante (o melhor jogador no terreno) a defesa arrojada.

Num lance mais viril mas sem ponta de maldade – no máximo o amarelo era aceitável) João Vasco foi punido com vermelho directo, aos 38 e 40 dois lances passiveis de castigo máximo ficaram por assinalar, mesmo em cima do intervalo num lance normalíssimo Rodolfo é punido com 2º amarelo e consequente expulsão.

Diante destas incidências não se vislumbrava tarefa fácil para a Naval 1893, contudo, os figueirense cerraram fileiras e foram dando para as encomendas – e foram muitas – todavia refira-se que a melhor ocasião de golo deste período foi dos figueirenses quando Graça rematou ao lado na cara do guarda-redes com esta praticamente batido.

O momento de felicidade figueirense surgiu aos 90 minutos. A Naval 1893 beneficiou de canto, Fernando voou nas alturas e com primoroso golpe de cabeça sentenciou a partida garantindo os três pontos e a liderança da competição.

Na próxima jornada, 1ª da segunda volta a Naval recebe o Mirandense na Figueira da Foz.

Fotos Ana Maria Costa


8 comentários:

Anónimo disse...

Rogério:
"......visitante (o melhor jogador no terreno).....".
Não seria no: SINTÉTICO, na relva artificial? Porque terreno não tem nada, debaixo do sintético é cimento.
Abraço

Anónimo disse...

Rogério, permite-me por favor fazer um reparo ou critica CONSTRUTIVA.
Assisti aos últimos 30 minutos deste jogo e ouvi o comentário do teu colega de bancada Gonçalo na Foz Mondego Rádio.
Do comentário dele tenho a lamentar que um indivíduo tão novo, um futuro tão grande pela frente (pelo que ouço dizer) mande para o ar bitaites dignos de um espetador e não de um dirigente.
Disse que a Naval jogou contra 14, naqueles ultimos 30 minutos não foi assim, se pode ter ficado um penalty por assinalar (não tem VAR). Em contrapartida a Naval só se pode queixar de si próprio, mesmo com 9, senão vejamos:
--Além do lance relatado, (falha do avançado em posição frontal), existiu antes um outro em que um defesa embrulhou-se com o guarda redes, o navalista desviou a bola e no segundo toque com a baliza deserta e posição frontal enviou por cima da trave, (lembras-te?).
Teve ainda outra chance quando existiu um remate do circulo central, o navalista viu o guarda redes fora da grande área e a bola não acertou a baliza.
Outra situação foi um livre a uns 30 metros e o jogador chutou a bola uns 5/6 metros por cima da trave.
Mas o que eu queria questionar-te/sugerir, será que é ético o Gonçalo estar como comentador na bancada do Foz ao Minuto e ser correspondente do Zé Barbeiro?
Quando sai do estádio liguei o 99.1, ouvi o comentário e sinceramente senti-me “enojado” por um dia ter colaborado 100% gratuitamente com aquele espaço e hoje estar entregue a alguém sem qualquer nível. Apaguei a sintonia do auto-rádio, ponto.
Imagina que o Zé Barbeiro, coordenador da emissão, não sabia o calendário, os jogos, os clubes da série, etc, coisa que basta ter na frente o Diário de Coimbra de segunda feira, já que tem os dedos grossos para mexer no tablet.
Quero dar-te os parabéns porque há dias no Gato Preto a conversa era que não tinhas aceite o convite para colaborares com eles. Sinceramente, de dentro do coração, és um gajo bom demais para estar como correspondente do Zé Barbeiro.

Rogério Neves disse...

Caro Comentador das 11:55 refiro-me ao terreno de jogo e não ao material do que ele é feito. No futebol usam-se expressões como "Melhor equipa sobre o terreno" ou "O melhor jogador sobre o terreno" ou ainda "terreno encharcado" Provavelmente poderá não estar correcto face ás matérias (no caso) se tratar de relva sintética , todavia a ideia é transmitir de forma que aquilo que se escreve seja entendido por quem lê,

Anónimo disse...

A Naval no distrital , incomoda muita gente , só assim se percebe este comentário de um triste que por aqui anda .
A Naval neste jogo foi roubada , espoliada de 2 jogadores e vem para aqui falar de ocasiões falhadas . Em relação ao Gonçalo que colabora gratuitamente em vários projectos jornalísticos e parte integrante da Naval e o clube defenderá sempre os seus , apesar de algum impropério que tenha dito em defesa do seu clube , ao contrário de muitos , nunca o traiu e já desempenho muitas funções no clube . É um Navalista à moda antiga , tivéssemos assim muitos , sempre prontos para ajudar o clube e não para o roubar , como num passado recente .

Anónimo disse...

Já viram o índice de transparecia do municio local , em 4 anos passou de 1º quase a ultimo , uma queda vertiginosa de mais de 140 posições . Faz pensar e relembrar umas afirmações do edil ao afirmar que teriam frequentado os equipamentos na praia da figueira beach 8 mil pessoas , mas os números oficiais falam em menos de 1500 , ou seja , alguém está a mentir , mais , são infra-estruturas cosméticas , sem interesse , concebidas apenas para propaganda política e negócios de ocasião . Relembro que aqui neste feudo , existem clubes que competem durante os 12 meses do ano . Mas para esses clubes o vereador competente pelos equipamentos desportivos , não atribui as benesses e verbas que dariam para manter equipas a funcionar por vários anos , além de taxar equipamentos municipais , feitos com apoios comunitários . Algo que só existe neste município , em vez de utilizar os impostos pagos por nós no fomento do desporto , tributa duplamente .

Anónimo disse...

Rogério;
Quem muitos “burros” toca algum fica para trás. (Ditado popular)
Meu caro Gonçalo, “……..que colabora gratuitamente em vários projectos jornalísticos….…..”,
Permita-me perguntar se o Foz Mondego Rádio é algum projeto? Aquele programinha ao Domingo à tarde onde aparece o Zé Barbeiro tem algo por onde se pegue? Qual é a: Missão. Visão e quais são os Valores daquele espaço?
O amigo participar sobre o mesmo assunto em vários projectos jornalísticos não é de certeza absoluta ÉTICO, mas o amigo Gonçalo ainda não sabe descernir Moral de Ética, ponto.
Quanto ao jogo da Naval de Domingo passado. A verdade que eu vi com meus olhos é que a Naval só se pode queixar de si mesmo, ponto.
Nos últimos 30 minutos se o homem do apito beneficiou alguém, esse alguém foi a Naval, relembro só os amarelos que ficaram por mostrar pelo retardar do jogo quando do recomeço após o golo.
Jogador Vasco foi expulso direto, não presenciei, mas o que eu sei e eu vi com meus olhos é que no jogo anterior em Poiares se não é o “apito amigo” o Senhor Vasco teria levado o amarelo por menos por MAIS umas 3 vezes (só levou uma vez ainda no primeiro tempo). Portanto a existir coerência o Senhor Vasco neste jogo teria estado na bancada e eu não ouvi ninguém do Poiares falar que jogaram contra 12.

Anónimo disse...

Caro Rogério, li o comentário das 14:30 e tiro a conclusão que estamos perante alguem com necessidade urgente de par de óculos convergentes com lentes agudas... É difícil a estas pessoas verem a Naval a crescer.. Quanto ao Gonçalo continua assim rapaz, vais chegar longe ao contrário destes "velhos do Restelo" que respiram ódio.

Anónimo disse...

Já dizia o Scolari , o Burro sou eu . Neste caso o burro é ..... Um ex diretor da Naval ..... Que mudou de clube ....quem será ?