domingo, 19 de janeiro de 2020


A TODO O VAPOR:No meu percurso de amador de Teatro (60 anos) há histórias e histórias para contar e confesso que a história aqui contada pelo Ricardo Santos é uma daquelas histórias que por muitos anos que eu viva jamais esquecerei.
Este facto veridico aconteceu com o falecimento da minha muito querida e saudosa Lurdes Lontro e eu fui testemunha presencial desta história pois fui entre muitos um dos amadores que subiu  ao palco com o coração destroçado por tamanha perda. Em todas as peças que tenho entrado lembro-me sempre de Lurdes LOntro, lembro-me do exemplo que nos transmitia sendo uma mulher sempre bem disposta mas rigorosa quando tocava a representar. Motivou-me muito, deu-me muitos conselhos mas tambem me repreendeu muitas vezes. Logo na minha primeira vez na SIT (Terra do LImonete) eu a desempenhar o Capitão dos Corsários e Ela a Bruxa de Buarcos fiquei a admirar aquela força teatral e daí por diante não era uma amiga de palco mas sim uma amiga de coração.
Hoje ao ler este artigo do Ricardo Santos não pude deixar de me emocionar ao recordar essa grande amadora e mulher Lurdes Lontro um exemplo de amor pela Teatro Amador um exemplo da Sociedade Instrução Tavaredense.

FUTEBOL

CAMPEONATO NACIONAL DE JUNIORES DA II DIVISÃO

NAVAL 1893 DÁ GOLEADA AO GAFANHA (6-0) MAS NÃO CHEGOU PARA PASSAR À FASE FINAL

NAVAL 1893, 6 - GAFANHA 0


======
DIVISÃO DE HONRA DA ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE COIMBRA

NAVAL 1893 CEDE EMPATE DIANTE DO EIRENSE

NAVAL 1893, 0 - EIRENSE, 0 


============ 
CUSTÓDIO CRUZ FOI HOMENAGEADO PELA NAVAL 1893

Custódio Cruz foi homenageado pela Naval 1893 no decorrer do encontro com o Eirense.
Na presença de muitos daqueles que treinou "mister Custódio" não conteve as lágrimas e deixou-se arrastar pela emoção ficando a ideia que faltam muitos Custódios para alimentar o sonho de muitos dos nossos jovens que alimentam a esperança de virem a ser jogadores de futebol.
Parabéns Custódio Cruz...

1ª DIVISÃO DA ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE COIMBRA

  COVA GALA, 1 - GANDARAS, 0 

=============== 
BASQUETEBOL
Campeonato Regional de Sub 14 F - Fase Regional
SCF - 68 / Guarda UP F. - 15
========
Campeonato Distrital de Sub 16 F - 2ª Fase
SCF - 54/ Olivais - 45
======== 
Campeonato Distrital de Sub 19 F - Fase Final
SCF - 82 / AAC - 38
Olivais - 47 / SCF - 37
==========  
REMO

NAVAL REMO NO CAMPEONATO NACIONAL DE ERGÓMETRO

Realizou-se no passado dia 19 de janeiro o Campeonato Nacional de Ergómetro em Mira, num evento que reuniu mais de 500 atletas.

Apesar das condições difíceis em que a Naval Remo tem treinado, não só pela ausência do Posto Náutico, mas também devido às cheias registadas no passado mês de dezembro, Treinadores, Atletas e familiares têm feito um esforço adicional para continuarem a treinar e a competir ao mais elevado nível, obtendo desta feita mais um excelente resultado, com 5 pódios neste Campeonato Nacional.

Destacam-se então os seguintes lugares de pódio:
•          Benjamim Femininos - 2º Lugar para Sofia Oliveira - Vice-Campeã Nacional
•          Juvenil Masculinos – 1º Lugar para o Atleta Pedro Rodrigues – Campeão Nacional
•          Sénior Femininos – 2º Lugar para a Atleta Patrícia Batista - Vice-Campeã Nacional
•          Veteranos 40-49 anos Masculinos – 1º Lugar para Carlos Gil - Campeão Nacional
•          Veteranos 50-54 anos Masculinos – 2º Lugar para José Silva - Vice-Campeão Nacional

Os restantes Atletas mesmo sem atingirem os lugares cimeiros dos vários escalões em competição, deram todos o seu melhor numa atitude sofrida, empenhada e meritória de destaque, obtendo assim os seguintes resultados:

•          Infantil Femininos – 11º Lugar para Maria Santos
•          Infantil Masculinos – 10º Lugar para Hugo Baeta, 15º Lugar para Hugo Baeta, 18º Lugar para José Azevedo e 21º Lugar para o Atleta Alexandre Canhola
•          Iniciado Femininos – 16º Lugar para Joana Rocha
•          Iniciado Masculinos – 11º Lugar para Bernardo Cruz, 18º Lugar para Dinis Lagem, 25º Lugar para Daniel Alexandre, 28º Lugar para Dinis Oliveira, 30º Lugar para Rodrigo Verdete e 36º Lugar para José Loureiro
•          Juvenil Femininos – 9º Lugar para Madalena Peça, 13º Lugar para Inês Mendes, 15º Lugar para Raquel Ferrolho e 19º Lugar para Matilde Cavaco
•          Juvenil Masculinos – 4º Lugar para o Atleta Diogo Ferreira (com o 3º melhor tempo), 30º Lugar para Henrique Pinho, 39º Lugar para João Oliveira, 45º Lugar para Daniel Silva e 51º Lugar para Manuel Baeta
•          Júnior Masculinos – 5º Lugar para Diogo Carvalho
•          Estafetas Juvenil – 4º Lugar para Madalena Peça, João Oliveira, Diogo Ferreira e Pedro Rodrigues


Nesta prova de âmbito Nacional, a Naval Remo está orgulhosa com este grupo de Atletas liderados pelos Treinadores José Canhola e Patrícia Batista, que trabalham diariamente em condições extremamente difíceis para elevar o nome da Naval e o da cidade da Figueira da Foz ao mais alto patamar do Remo Nacional. Esta prova foi mais um exemplo de esforço, empenho, respeito e capacidade de sofrimento demonstrada pelos Atletas da Naval Remo… Obrigado e Parabéns a todos.


Núcleo de Antigos Remadores da Associação Naval 1º de Maio
 DB


SERÁ QUE MAIS UM EMPREITEIRO FALIU???...QUE SE PASSA COM AS OBRAS DE REQUALIFICAÇÃO DO ESTÁDIO MUNICIPAL JOSÉ BENTO PESSOA

 foto O Palhetas

A TODO O VAPOR: Segundo se consta por aì já passa das duas dezenas as obras "paradas" na Figueira da Foz. Segundo o veiculado pela imprensa a origem das "paragens" são a situação de falência dos empreiteiros que acabam por desistir das obras. Sabendo-se de todo o trabalho processual de abrir concursos para depois serem as mesmas obras abandonadas parece-nos que a coisa para além de não andar bem, a Camara Municipal tem um péssimo olho para escolher os empreiteiros com quem trabalha.
Hoje refiro-me às obras de requalificação (novo relvado sintético) do Estádio Municipal José Bento Pessoa que deveriam estar concluídas em final de Janeiro de 2020 (informação em tempos dada pela Senhora Vereadora do Desporto). As obras estão paradas há cerca de dois meses e se a memória não nos falha estas já anteriormente tinham estado não paradas mas nada se poderia fazer pois aquando o Concurso Publico um dos concorrentes (não o que agora abandonou) tinha apresentado reclamação ou recurso a quem de direito devido ao concurso apresentar anomalias.
Mais um imbróglio que a Camara Municipal tem de resolver, a ocupação do Campo de Treinos está saturada, os clubes queixam-se que não há horas disponíveis para trabalho das equipas e o Municipal com as obras paradas.
Vamos lá ... está dificil de explicar. 

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020


PARABÉNS S I T... 116 ANOS



Decorria o ano de 1990 quando fui convidado para integrar o Grupo Cénico da SIT. Que honra eu senti fazer parte daquele MAGNIFICO ELENCO por todos conhecido como a CATEDRAL DO TEATRO AMADOR .
Entre 1990 e 2003 desempenhei as mais variadas personagens nas peças anuais que pelo aniversário subiam a cena.

Para além da “Terra do Limonete” que ficará sempre guardada na minha memória, dirigida por Ana Maria Caetano, também “O Homem, a Besta e a Virtude” peça encenada por Ilda Simões após um curso com a Dr Isabel Craveiro e “O Velho da Horta” dirigido por Fernando Romeiro são momentos de Teatro que jamais esquecerei.
 Terra do Limonete - Corsários do Alto Mar
 O Homem a Besta e a Virtude - Capitão
O Velho da Horta - Velho

PARABÉNS S I T 

 Via Diário as Beiras

AGENDA FIM DE SEMANA DA NAVAL 1893




 Via D Beiras

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

 Via Diário as Beiras

FIGUEIRA DA FOZ HOMENAGEIA CINEASTA JOÃO CÉSAR MONTEIRO DANDO O SEU NOME A AUDITÓRIO


O cineasta João César Monteiro vai ser homenageado pelo município da Figueira da Foz, cidade de onde era natural, com a atribuição do seu nome a um auditório do Centro de Artes e Espetáculos (CAE), foi hoje anunciado.

O realizador, ator, produtor e crítico de cinema nasceu na Figueira da Foz, em 02 de fevereiro de 1939, e morreu em Lisboa, em 2003, um dia após completar 64 anos. Na cidade que o viu nascer e onde morou até meados da adolescência, não existia, até hoje, qualquer referência toponímica a João César Monteiro, uma das razões que levou a Câmara Municipal a prestar-lhe, agora, homenagem.

"João César Monteiro era um génio, e nessa irreverência e imprevisibilidade que o caracterizavam, marcou o cinema português e fez suscitar muitas críticas, porque atuava 'fora da caixa'. E era um figueirense e merece ser referido enquanto tal", disse à agência Lusa Nuno Gonçalves, vereador com o pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Figueira da Foz.

O vereador adiantou, a esse propósito, que os poderes públicos "têm a estrita obrigação de fazer com que os seus nomes sejam perpetuados".